Ano XLIII - Saturday, 02 de August de 2014
Estamos pesquisando sua consulta.
Por favor aguarde alguns instantes!
lupa
Coleta de lixo: Lajeado cumpre parte das recomendações do MP
Home  |   Notícias   |   Geral   |  Coleta de lixo: Lajeado cumpre parte das recomendações do MP
13 de June de 2013

Coleta de lixo: Lajeado cumpre parte das recomendações do MP

Instituições contestam emergência e apontam que despesa pode crescer R$ 900 mil ao final da contratação
Lajeado – A prefeitura cumpriu, em parte, recomendações do Ministério Público e do Ministério Público de Contas em relação à contratação de empresa para a coleta de lixo e limpeza urbana da cidade. No último dia 31 de maio, publicou edital de licitação para contratar empresa para realizar a coleta de lixo. Falta, no entanto, licitar a limpeza urbana, outra determinação dos órgãos, que pediram processos separados, “propiciando a ampla competição entre os interessados”. O prazo do município se encerrou no dia 6 de junho, mas como não conseguiu atender em tempo todas as recomendações, o MP estendeu até amanhã para que tome as providências. A prefeitura informou, no entanto, que a concorrência para o serviço da limpeza deve ser publicada até o final do mês.

Os demais apontamentos do MP e do MPC, cuja recomendação teve origem a partir da contratação emergencial da W.K. Borges & Cia. Ltda., no mês de março, estão sendo questionados pelo governo, que encaminhou defesa no último dia 7. A Administração diverge do órgão, por exemplo, quanto à forma de contratação. O MP entende que faltaram fundamentos para corroborar o caráter emergencial e diz que o procedimento ocasionou o “incremento dos dispêndios mensais em 82,69%, equivalentes a R$ 222.735,67, importância que ao final da contratação terá atingido o montante de R$ 890.942,68”. Mas em sua defesa a prefeitura alega que, se o contrato com a empresa anterior fosse renovado pela variação do IGP-M, a despesa mensal seria de R$ 269.368,40, que poderia chegar a R$ 292.264,71 se o reajuste alegado por desequilíbrio contratual fosse concedido.

Quanto à forma - emergencial – o MP diz que a prefeitura poderia ter firmado termo aditivo, mas esperou dois meses para a contratação, período em que teria todos os dados sobre o serviço a ser licitado. Neste aspecto, a prefeitura se defende argumentando que “talvez tenha sido pela exiguidade de tempo que os novos administradores tenham assumido o mandato” e acusa os antigos gestores: “Foi um início extremamente difícil, porque percebeu-se nitidamente que o governo anterior, ao perder as eleições, praticamente abandonou a administração da cidade.” Explica que o contrato anterior não foi renovado porque os serviços estavam sendo pagos pela população e mal-executados, que tinha apenas a “aparência de mais barato, mas na realidade estava caro pela contrapartida”.

 



Última atualização: 13 de June de 2013 às 06h45min
Geral - 08/01

Brasileiro anda cada vez menos de ônibus, diz estudo

Levantamento aponta que 175 milhões de pessoas deixaram de usar transporte público, em nove capitais pesquisadas
VERSÃO IMPRESSA
Edição 10503
Saturday
08/02/2014
Caderno Principal
Edição 10502
Friday
08/01/2014
Caderno Principal
Edição 10501
Thursday
31/07/2014
Caderno Principal
Edição 10500
Wednesday
30/07/2014
Caderno Principal
Edição 10499
Tuesday
29/07/2014
Caderno Principal
Edição 10498
Monday
28/07/2014
Caderno Principal
Edição 10497
Saturday
26/07/2014
Caderno Principal
O Informativo do Vale  - Av. Benjamin Constant, 2197 - Lajeado/RS - Fone: (51) 3726.6700