Ano XLIII - Friday, 28 de November de 2014
Estamos pesquisando sua consulta.
Por favor aguarde alguns instantes!
lupa
Pai mata os filhos e depois se suicida
Home  |   Notícias   |   Polícia   |  Pai mata os filhos e depois se suicida
05 de February de 2013

Pai mata os filhos e depois se suicida

Depois de tirar a vida dos filhos de 3 e 6 anos, homem se enforcou. Crianças podem ter sido atacadas com golpes de martelo
Velório das crianças foi marcado por tristeza. Foto: Luciane Eschberger Ferreira

Bom Retiro do Sul - O mês de fevereiro começa mar­cado por uma tragédia no Vale do Taquari: um pai matou seus dois filhos e depois se suicidou, entre o sábado e o domingo, na Rua Bento José Labres, em Bom Retiro do Sul. Paulo da Rocha Santos (41), funcionário público, foi encontrado enforcado em um dos quartos da residência localizada no Bairro São Francisco. Perto dele estavam os corpos dos filhos Bianca da Silva Santos (3) e Leandro da Silva Santos (6). 


Os pais das crianças estavam separados há pouco mais de seis meses, tendo a mãe, Sirlei Terezinha da Silva, ficado com a guarda dos menores. Moradoras de Fazenda Vilanova, as crianças viviam com a mãe e o padrasto. Nos fins de semana eram levadas para Bom Retiro do Sul a fim de ficar com o pai. No domingo, a mãe retomaria a guarda, mas o pai não entregou os pequenos.


Chegado o final da tarde, hora em que as crianças costumeiramente eram entregues à mãe para voltar a Fazenda Vilanova, o pai não apareceu. Ela fez contato com o Conselho Tutelar e se deslocou até o local. Sem sucesso, acionou a Brigada Militar que, por volta da meia-noite, entrou na casa e viu a cena trágica.


Em um dos cômodos da casa, o corpo de Paulo estava pendurado por uma corda; os das crianças, caídos no chão com diversas lesões na cabeça. “Os ferimentos na cabeça são compatíveis com os golpes causados por um martelo, que foi recolhido no local”, explica o delegado de Teutônia, substituto de Bom Retiro do Sul e responsável pelo caso, Mauro Mallmann. 


A ocorrência foi atendida pela Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento de Lajeado (DPPA). O Instituto-Geral de Perícias (IGP) de Novo Hamburgo esteve no local. Os corpos foram encaminhados ao Instituto Médico-Legal de Lajeado, e o laudo com a causa da morte dos menores deve sair em 30 dias. Segundo o delegado Rodrigo Reis, que atendeu ao chamado, as crianças podem ter sofrido outra agressão antes do espancamento. “É possível que elas tenham sido asfixiadas com um travesseiro e, depois, ele tenha batido nelas com um martelo”, presume. Conforme as primeiras análises, a morte dos menores deve ter ocorrido na noite de sábado. 


As causas

No cenário da tragédia, quatro páginas, escritas a punho pelo autor dos crimes, tentam explicar os motivos para o ato cruel. “Na carta, ele tenta justificar o ocorrido, alegando que tinha dificuldades de contato com os filhos; que o padastro deixava as crianças de castigo e impedia os menores de ver o pai”, explica o delegado Mallmann.

 Na ficha criminal de Santos, algumas brigas com a ex-mulher. “Há registros dele contra a ex-companheira e também dela contra ele”, esclarece o delegado. 


O local do crime


A residência que foi cenário do crime não ostenta luxo. Com dois quartos, o local parece esperar pelos moradores: garrafas de refrigerante e frutas na mesa, moedas que ficaram de troco em alguma compra. Tudo humilde, tudo intacto. No quarto dos fundos, um pedaço de corda ficou como prova da tragédia. No cômodo da frente, os desenhos das crianças colados na parede de tijolos à vista destoam do colchão ensanguentado que serviu de local para a morte de uma criança. 


Na sala, bonecas, roupas e correspondências que nem chegaram a ser abertas. No pátio de casa, dois cachorros esperam pelos donos, e a horta do quintal mostra o cuidado de um homem que não transparecia a violência da qual mostrou ser capaz. Como lembrança dos menores, a motoca cor-de-rosa aguarda, parada, pelas brincadeiras. Dentro de casa, somente a Bíblia aberta na página dos Salmos como testemunha da tragédia que chocou não somente o município de Bom Retiro do Sul, mas também o Vale. 

Comoção na vizinhança


Na Rua Bento José Labres o clima é de tristeza e surpresa. Os vizinhos, incrédulos, não entendem o ocorrido. “Ele sempre pareceu tão carinhoso com os filhos... Não dá pra acreditar em algo assim”, diz Paula Porfírio, moradora do local há 19 anos. “Na noite de sábado, saí para caminhar. Ao retornar, por volta das 19h, vi o Paulo sentado na frente de casa com as crianças. Ele estava dando comida para elas. Algo que parecia com frango para a menina. Me chamou a atenção o cuidado com os filhos”, lembra.


Moradora do mesmo endereço há 12 anos, Denise Brauner não consegue acreditar na crueldade do crime. “A gente dá um tapa corretivo em um filho e dói mais em nós do que neles. Como ele pôde ter coragem para algo assim?”, questiona. Denise diz que Santos era um homem religioso. “Frequentava a igreja, rezava. Tinha problemas com alcoolismo, mas era uma boa pessoa, nunca incomodou ninguém”, diz. Há anos era funcionário da prefeitura, e em casa, fazia serviços de borracheiro. 



Velório do acusado


O velório de Paulo da Rocha Santos foi realizado na Câmara Mortuária do Centro de Bom Retiro do Sul. A cunhada de Santos, Vanda Vargas dos Santos (30), casada com o irmão de Paulo, recebeu a notícia pela sobrinha. “A filha dele (Paulo) foi quem ligou nos avisando”, conta. Segundo ela, o funcionário público sempre foi muito brincalhão, inclusive com os sobrinhos. “Ele sempre chegava lá e ia brincar com meus filhos.” Com a neta, de pouco menos de 1 ano, não era diferente. “É um grande choque para nós”, confessa.


Paulo da Rocha dos Santos deixa outros dois filhos, de 15 e 16 anos, e uma neta. As crianças, Leandro e Bianca, foram veladas em Fazenda Vilanova, cidade onde residiam. 


Trechos das cartas


Três folhas de papel, quatro páginas escritas e cheias de frases desconexas. Assim o pai das crianças explicou os motivos que o levaram ao assassinato dos próprios filhos, e a seu suicídio. Entre as explanações, acusações contra o padrasto das crianças; alegações de que os filhos estavam sofrendo com a separação do casal; explicações de que ele próprio estava sofrendo com a separação; e uma frase emblemática: “Eu já havia sido assassinado e morto”.



Velório das crianças


Realizado na comunidade de Matutu, em Fazenda Vilanova, o velório das duas crianças foi palco de uma sentinela silenciosa. Os dois pequenos caixões, fechados, denunciavam a tristeza. A mãe dos dois, desesperada, por duas vezes precisou de atendimento médico entre a madrugada e a tarde de ontem. Cerca de 30 pessoas, entre familiares e moradores da região, acompanharam a solenidade e o sepultamento, ocorrido nesta segunda-feira à tarde.

Joyce Alves
joyce@informativo.com.br

Colaboração:
Luciane Eschberger Ferreira 
luciane@informativo.com.br



Última atualização: 02 de May de 2013 às 08h45min
Geral - 28/11

Sorteio da Nota Fiscal Gaúcha premia 49 pessoas no Vale

Um morador de Caxias do Sul ganhou R$ 100 mil no 21º sorteio, realizado na Câmara de Vereadores de Erechim
Polícia - 28/11

Loja é assaltada no Oriental em Estrela

Os dois fugiram pela BR-386 e foram capturados pela Brigada Militar próximo a Fazenda Vilanova
Geral - 28/11

Mulheres têm direito a descanso antes de iniciar hora extra

Medida aprovada pelo STF prevê intervalo de no mínimo 15 minutos para as mulheres em caso de período extra
Geral - 28/11

2ª Campanha Saúde do Homem é destaque neste sábado

Ação acontecerá durante a manhã, no Centro Avançado de Saúde e no Posto de Saúde do Bairro Languiru, em Teutônia
VERSÃO IMPRESSA
Edição 10603
Friday
28/11/2014
Caderno Principal
Edição 10602
Thursday
27/11/2014
Caderno Principal
Edição 10601
Wednesday
26/11/2014
Caderno Principal
Edição 10600
Tuesday
25/11/2014
Caderno Principal
Edição 10599
Monday
24/11/2014
Caderno Principal
Edição 10598
Saturday
22/11/2014
Caderno Principal
Edição 10597
Friday
21/11/2014
Caderno Principal
O Informativo do Vale  - Av. Benjamin Constant, 2197 - Lajeado/RS - Fone: (51) 3726.6700