Política

Legislativo de Estrela defende ação para auxiliar cadeia leiteira

Vereadores irão encaminhar documento ao prefeito Rafael Mallmann sugerindo decreto de calamidade

Créditos: Luísa Schardong
SESSÃO: primeira reunião ordinária do Legislativo aprovou seis projetos de lei - Luísa Schardong
Estrela Na primeira sessão ordinária deste ano, a Câmara de Vereadores de Estrela aprovou um requerimento que vem colaborar com o debate em torno da crise da cadeia leiteira. Assinado por todas as bancadas, o documento solicita que a Prefeitura estude a hipótese de decretar estado de calamidade pública financeira no município. Entre os argumentos estão a baixa remuneração e a importação do leite em pó de outros países, fatores que prejudicam a comercialização de origem nacional.
 
Atuante no interior, Marcio Mallmann (PP) narrou a situação de propriedades que foram obrigadas a desistir do setor. "Não é mais viável, a realidade é brutal para essas famílias. Mais de 80 produtores daqui largaram o leite - temos notícia de mais 1.080 no Vale do Taquari", apontou. Segundo ele, a cadeia estrelense é a oitava maior no país. "Mas nos últimos cinco anos, o produtor tem ganhado cada vez menos, enquanto todos os custos triplicam. O Executivo pode ajudar com o decreto. A situação é muito grave."
 
O requerimento pede, por fim, que a pauta entre nas discussões da Associação dos Municípios do Vale do Taquari (Amvat) neste ano. Uma reunião está marcada para acontecer em Cruzeiro do Sul, na quinta-feira, quando entidades debaterão o tema.

Ordem do dia

Seis projetos de lei vindos da Prefeitura deram entrada e foram votados em caráter de urgência. Todos foram aprovados por unanimidade.

Os vereadores aprovaram a manutenção da parceria com o Núcleo Cultural de Estrela, que receberá R$ 376.998,62 em 11 parcelas. A entidade atende 500 alunos em cursos de música instrumental, oficinas de artes cênicas e artes plásticas, na Casa de Cultura Bertholdo Gaussmann.

A Sociedade Evangélica Educacional de Estrela, que atende 65 crianças de zero a 6 anos na Educação Infantil, receberá R$ 270 mil em recursos federais provenientes do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). O Fundo também atenderá a Associação Educacional Colmeia com R$ 555 mil. Os valores serão repassados em 11 parcelas para ambas entidades. Ainda, o termo de associação com a Associação dos Municípios de Turismo da Região dos Vales (Amturvales) foi renovado.

O Legislativo também aprovou o Sistema Municipal de Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal de Estrela (SIM). O objetivo principal é adequar a legislação estrelense aos dispositivos federais, a fim de assegurar a preservação da saúde pública, por meio da inspeção industrial e sanitária dos produtos de origem animal.

Sob críticas de Volnei Zancanaro (PR), que pediu mais clareza na redação dos projeto, a Casa ainda deu aval para a Prefeitura adaptar o orçamento vigente, autorizando a abertura de crédito especial de R$ 9 mil no orçamento na Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. A pasta contratará profissional para elaboração do projeto básico de laudo técnico de avaliação de contribuição de melhorias de 19 ruas. "O projeto não diz quais rurais. Fica a minha crítica", disse.

Em questão

No terceiro mandato consecutivo, Marco Wermann (PV) é o novo presidente da Câmara no exercício de 2018. Economista, ele já esteve à frente da Casa em 2010 e atuou como secretário de Planejamento e Desenvolvimento Econômico, entre 2013 e 2016, e da Fazenda, entre 2005 e 2006.

O Informativo do Vale - Quais as principais agendas que a Câmara vai tratar este ano?
Marco Weramnn - Trabalharemos questões como a segurança, a crise leiteira, a vigilância sanitária, os Planos de Prevenção e Proteção Contra Incêndios (PPCI), além da importância de se continuar desenvolvendo representatividade regional. O novo pedagiamento da BR-386 e suas obras também entram aqui, bem como nossa relação com a Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR), que tem deixado muito a desejar.

O Informativo do Vale - O senhor tem algum projeto para executar à frente da Casa?
Marco Wermann - Enquanto Câmara, precisamos atuar mais na agenda verde, evitando desperdícios de energia, por exemplo. No segundo semestre, queremos licitar um projeto de placas solares fotovoltaicas - é uma política de longo prazo, que tem reflexo na diminuição de custos e impacto ambiental. Também buscamos mais informações para virar uma Câmara sem papel, para dar mais transparência e qualificar o trabalho feito aqui. Já formatamos uma parceria com as secretarias da Agricultura e do Meio Ambiente e Saneamento Básico, na qual possamos recolher televisões, computadores e equipamentos eletrônicos que não estão sendo descartados corretamente.

O Informativo do Vale - Como o senhor avalia a relação da Câmara com a Prefeitura?
Marco Wermann - Nosso objetivo é manter a relação de respeito, tranquilidade e união - mas, sempre tendo posição de independência. O Legislativo não vai abrir mão dessa prerrogativa e acredito que, no âmbito financeiro, será um ano bastante duro, no qual devem ser feitos vários cortes. Temos que parar de criar infraestrutura e custos, reorganizando essa máquina para continuar crescendo de forma gradual e sustentável. Estaremos à disposição para ajudar a discutir, fazendo nossa parte.

Comentários

VEJA TAMBÉM...