Polícia

Trabalhadores participam de diálogo sobre violência doméstica

Palestras fazem parte da Semana Interna de Prevenção de Acidentes no Trabalho (Sipat) em Lajeado

Créditos: Natalia Nissen
PALESTRA: delegada Márcia Bernini falou sobre cultura machista e mecanismos de defesa para a mulher - Lidiane Mallmann

Lajeado - A funcionária do setor de expedição da empresa Minuano, Cinara Pinheiro Pereira (23), conhecia a Lei Maria da Penha de nome, mas não sabia como a legislação funciona na prática ou quais são as medidas protetivas de urgência disponíveis para as vítimas da violência doméstica ou de gênero. Ontem (13), ela pôde aprender mais sobre o tema em uma conversa promovida pela Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa) em parceria com a Polícia Civil. A atividade integra a Semana Interna de Prevenção de Acidentes no Trabalho (Sipat) e contempla homens e mulheres que trabalham na empresa.



Cinara afirma que as colegas ficaram à vontade para perguntar e até relatar algumas situações pessoais ou de conhecidos, envolvendo violência. Para ela, o momento foi importante para esclarecer que a violência não é apenas física, mas também pode ser psicológica, sexual, moral e patrimonial. A presença da delegada Márcia Bernini e de uma policial que atua na Deam proporcionou mais confiança para que as trabalhadoras participassem do debate. "Elas recebem as vítimas e vivenciam isso todos os dias, sabem o que as mulheres passam e explicaram até a história da lei (Maria da Penha)".

Outro ponto que chamou a atenção de Cinara foi a estrutura oferecida pela Casa de Passagem do Vale, uma opção disponível para as vítimas de violência na região e que a jovem desconhecia até então. As mulheres que registram ocorrência podem ficar na Casa de Passagem, com os filhos, até poderem voltar ao lar em segurança.

Iniciativa
A palestra feita pela Polícia Civil faz parte do projeto Orientar, desenvolvido pela Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) de Lajeado em parceria com o núcleo de Polícia Comunitária desde o ano passado. Hoje, os homens que trabalham na empresa Minuano participarão de uma conversa sobre a violência contra a mulher. As abordagens são diferentes conforme o público. No caso das mulheres, elas ficam sabendo sobre os tipos de violência, os mecanismos de defesa e os serviços oferecidos pela rede de proteção, que inclui diversos órgãos públicos e entidades.

No diálogo com os homens, policiais homens também falam sobre as etapas do atendimento à ocorrência, processo e penalidades. O objetivo é conscientizar possíveis vítimas e agressores sobre o combate à violência, à cultura machista e a reduzir a reincidência por meio de uma conversa informal. De acordo com a delegada, o projeto possibilita aproximação com a comunidade para disseminação dos direitos das mulheres e a importância da participação dos homens no processo de combate aos crimes contra as mulheres.

Presidente sanciona alteração na Lei Maria da Penha
O presidente Michel Temer sancionou, na última quarta-feira, a proposta de alteração na Lei Maria da Penha. A Lei 13.505/17 prevê o atendimento policial feito por mulheres para vítimas de violência doméstica. Além disso, também deverão ser criadas delegacias especializadas no atendimento à mulher, núcleos de investigação sobre feminicídios, e os estados e Distrito Federal também deverão dar prioridade à formação de equipes especializadas no atendimento e investigação de casos de violências graves contra mulheres. A revitimização deverá ser combatida, evitando que as vítimas precisem responder a sucessivos questionamentos sobre a vida privada nos âmbitos criminal, cível e administrativo.

Serviço
Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher de Lajeado
Rua João Batista de Mello, 509, Centro.
Telefone: (51) 3748-6912

Comentários

VEJA TAMBÉM...