Polícia

Decisão sobre habeas corpus deve sair na tarde de hoje

Segundo 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, desembargador ainda não decidiu sobre liberação do suspeito de matar Jacir Potrich

Créditos: Caroline Garske
Suspeito foi preso no último dia 23 - Polícia Civil/divulgação

Anta Gorda - Após o advogado de defesa do suspeito de ser o responsável pelo desaparecimento e morte de Jacir Potrich (55) ingressar com pedido de habeas corpus na tarde desta quarta-feira (30), a decisão sobre a liberação ou não do homem de 52 anos deve ficar a cargo do desembargador Honório Gonçalves da Silva Neto.
Segundo informações repassadas na manhã desta quinta-feira (31) pela 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, o pedido de habeas corpus foi distribuído ontem e encontra-se com o relator do caso, desembargador Honório Gonçalves da Silva Neto. A decisão deve ser tomada no decorrer do dia de hoje. O homem ainda não foi liberado, diferente de algumas publicações que circularam nas redes sociais. Na verdade, a liminar foi concedida ontem e, logo após, invalidada.

Habeas Corpus
Conforme o advogado Paulo Olímpio, a defesa entrou com o pedido de Habeas Corpus para liberar o cliente que está detido no Presídio de Encantado. "Nosso cliente está injustamente recolhido na prisão." Segundo o advogado, na casa prisional não há sala especial para prisão temporária e para quem possui ensino superior completo. "Embora seja um presidio bem administrado, ele está junto aos presos comuns, quando a lei determina que tem que ter sala especial", relata.

Ainda segundo o advogado, não há motivo para manter o seu cliente preso. "Qual o prejuízo para a investigação? Ele está sendo injustamente acusado de um possível crime de homicídio, pois não há corpo de delito. Sua prisão tem gerado uma angústia tremenda à familia, filhos, esposa e a ele que padece no cárcere aguardanndo o desdobramento desta investigação."


Relembre o caso
Jacir Potrich (55) desapareceu em 13 de novembro de 2018. Na data, ele teve um dia normal, após o trabalho, saiu para pescar no açude do condomínio onde residia. No fim da tarde, ele limpou e guardou os peixes. Depois disso, não foi mais visto. Desde então, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Brigada Militar e Instituto-Geral de Perícias realizam buscas no condomínio localizado em Anta Gorda e nas proximidades.
A prisão do suspeito de 52 anos foi realizada na quarta-feira (23) no apartamento do homem em Capão da Canoa. Desde então, ele está preso temporariamente pelo crime de homicídio doloso por motivo fútil e ocultação de cadáver.

Comentários

VEJA TAMBÉM...