Geral

Um conceito em permanente busca

Justiça foi o termo mais procurado no dicionário mais popular do mundo em 2018

Créditos: Caroline Garske
- divulgação

Vale do Taquari - Em 2018, o termo "Justiça" foi o mais procurado no Merriam-Webster, um dos dicionários mais populares do mundo, que elegeu o princípio de ser justo como a palavra do ano de 2018. Segundo a agência de notícias britânica Reuters, os usuários pesquisaram o vocábulo 74% a mais do que em 2017.
O aumento da busca foi resultante de usos específicos da palavra, como "obstrução da justiça", depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que o secretário de Justiça, Jeff Sessions, deveria deter a investigação do procurador especial Robert Mueller sobre o papel da Rússia na eleição de 2016. Entre outros termos muito procurados no Merriam-Webster em 2018 estão, "nacionalismo", "pansexual", "epifania", "respeito" e "excelsior".


Embora seja um conceito abstrato e subjetivo, pois cada ser humano define o que é Justiça para si, cientificamente a palavra refere-se a um estado ideal de interação social em que há um equilíbrio que deve ser razoável e imparcial entre os interesses, riquezas e oportunidades entre as pessoas envolvidas em determinado grupo social. É um conceito presente no estudo do Direito, Filosofia, ética, moral e religião. Na Grécia, a justiça era retratada por uma deusa, Thémis, e mais tarde, Diké, que era representada de olhos abertos. Já na Roma Antiga, era representada por uma estátua, com olhos vendados, indicando que todos são iguais perante a lei. Na prática, as consequências podem não seguir à risca a legislação.


Colaboração Guilherme Rossini/[email protected]

Com a palavra

"A Justiça deve buscar a igualdade entre os cidadãos, o que nem sempre se mostra possível diante de tantas desigualdades que observamos mundo afora. De qualquer sorte, para que uma nação adquira tranquilizadora capacidade de resistência e vivamos num país democrático e com ordem, é necessário que acreditemos na Justiça, enquanto poder da sociedade, criado pelo homem para resolver os conflitos sociais, com justiça social, respeitado o devido processo instituído por lei."

Luís Antônio de Abreu Johnson,
Juiz de Direito 

"Para mim a palavra Justiça se resume em uma palavra: igualdade. Seja na profissão ou no meio social, onde homens e mulheres, negros e brancos tenham os mesmos direitos e deveres. A justiça não tem gênero nem cor."

Fernando Henz,
Árbitro da Confederação Brasileira de Futsal (CBFS)

"Entre os valores a serem desenvolvidos no ser humano através da educação, na perspectiva das relações com o próximo está a justiça como importância fundamental. A virtude da justiça que se projeta no reconhecimento do direito alheio é a virtude social por excelência, sendo o eixo sobre o qual estrutura-se a sociedade. Para mim, justiça é a mais decisiva das atitudes éticas. Se o ser humano for justo, pode-se esperar justiça de seus atos."

Verani Berté,
Coordenadora pedagógica

 "A filosofia do Direito se bate a discutir este conceito há séculos. Mas como isso também condiz com sentimento e visão de mundo de cada indivíduo, é possível, depois de muitos anos de trabalho, ter uma clareza a respeito. O termo justiça remete a uma ideia de bem-estar. Toda vez que alguém está em um estado de espírito bom, naturalmente fica mais fácil entender o que é justiça. O contrário também é possível compreender. Modernamente, justiça, obviamente, não é dar a cada um o que é seu, isso é uma visão que há muito tempo passou. Dá pra se dizer que justiça é a busca da integralidade da condição humana, quer dizer, quando conseguimos atingir esse desiderato nós estaremos sendo justos. Claro que, diversos fatores influenciam chegar a isto. No plano dos conflitos, justiça é encontrar um ponto de equilíbrio para a pacificação social. Quando se chega a este desiderato, estamos muito próximos a dizer que isto é justiça. Quando se pensa em mediação, em justiça restaurativa, em métodos alternativos de mediação e composição, trazemos um novo jeito de fazer justiça, que é a participação efetiva das pessoas envolvidas no conflito, na construção de uma solução para ele. De tal forma que não haja vencedores, nem perdedores, e sim uma construção de solução pacífica que vai atender parcialmente os interesses de um e parcialmente os interesses de outro. A decisão acaba sendo mais real e mais efetiva e as pessoas têm o sentimento maior de justiciamento. Isso é uma mudança muito significativa de paradigma no próprio conceito de justiça. Então, dá pra se dizer que a justiça é hoje um processo de soluções em que as partes atuam efetivamente, e isso é legitimado pelo Poder Judiciário, que é a instituição que dá validade a esta construção de solução entre as partes."

Neidemar Fachinetto,
Promotor de Justiça 

"Conceituar a palavra justiça é bastante complexo, pois tem várias acepções, dependendo do contexto e da situação analisada. Quando se fala que algo é justo ou injusto, muitas vezes depende do ponto de vista de quem está olhando para determinada situação. Independentemente do contexto fático, a atuação da Brigada Militar e dos policiais militares têm como base a legalidade, isto quer dizer, o que dispõe a legislação (ou leis). Em outras palavras, quando algum cidadão aciona a corporação, nossa atuação vai se basear no que dispõe a lei para aquele caso, embora muitas vezes uma ou mais de uma das partes envolvidas pode não achar, sob seu ponto de vista, que tal agir seja justo. O mesmo ocorre quando os policiais militares flagram alguma conduta contrária à legislação, circunstância que os obriga a agir conforme o disposto na lei, com o objetivo de manter a ordem pública (uma das atribuições da Brigada Militar). Então, para a Brigada Militar, a justiça está diretamente ligada à legalidade, mesmo que, por vezes, o agir dos policiais para alguns possa parecer injusto. Para dar um exemplo, veja o caso das multas de trânsito. Por vezes, o condutor não acha justo ser multado porque estacionou em local proibido, pois no seu ponto de vista não gerou mal a ninguém. Para a Brigada Militar, o condutor que estaciona seu veículo em local proibido está descumprindo a lei de trânsito, motivo pelo qual lhe é aplicada a multa (punição também prevista na mesma legislação)."

Carmine Brescovit,
Capitã da Brigada Militar de Teutônia

 "Justiça são direitos iguais para todos. Se a gente errou perante a sociedade, temos que cumprir e pagar. Sabemos que existem casos que, às vezes não entendemos e pensamos que tem gente que fez mais que nós e não foram nem condenados. Acho também que ainda existem algumas falhas na questão de justiça, quando se fala na área prisional. Acredito que deveriam não deixar a gente tanto tempo trancadas aqui dentro sem muito o que fazer. Deveriam botar a gente a trabalhar em um lugar onde parte do nosso salário fosse para ajudar uma entidade, ou até fazer algum trabalho voluntário. Eu acho que, isso sim, seria uma forma de nos ajudar a procurar uma vida melhor e, querendo ou não, a gente estaria pagando com nosso suor e ajudando outras pessoas. Não simplesmente atirar a gente aqui e esquecer. Devia ter outras coisas pra que a gente venha a ter opção quando sair e não voltar para o mundo do crime, porque a tentação de voltar é muito grande. Sabemos que quando sair daqui não vai ser fácil, que vamos chegar lá fora e vai estar tudo destruído, tudo acabado, sem nada. Daí tu bate para procurar emprego e não consegue. Tu tem uma ficha, já passou pela casa prisional. Aí o que acaba sobrando? O mundo do crime, que está de portas abertas. Eu acho que a gente se desespera e no desespero a gente não vê coisas com clareza e acha que aquela é a única opção. Mas na verdade não, sempre tem mais opções. A gente plantou, a gente tá colhendo. Escolhi um caminho que não era o correto e hoje estou pagando perante a sociedade. Eu só gostaria que a justiça olhasse a gente com outros olhos, não simplesmente descartasse. Gostaria que eles olhassem para algumas que estão aqui e em outras cadeias, que estão se esforçando, interagindo, estudando, que estão buscando uma outra opção. Às vezes a gente acha que a lei é rigorosa, mas hoje, olhando daqui, eu vejo que as pessoas lá fora são atingidas pela criminalidade e sofrem muito. É para evitar esse tipo de coisa que existe lei. A gente acha rígida, mas somos nós mesmos, com nossas atitudes, que fazemos a lei ficar assim."

Detenta de 37 anos do
Presídio Feminino de Lajeado

Comments

SEE ALSO ...