Geral

Prefeitura de Lajeado fecha 2017 com superávit de R$ 12,2 milhões

Número equivale a 4,5% do orçamento efetivo do município no ano, que foi de R$ 272,5 milhões

Créditos: AI Prefeitura de Lajeado
INVESTIMENTO: nova escola de educação infantil deve ser confirmada ainda nos primeiros meses do ano - Lidiane Mallmann/arquivo O Informativo do Vale

Lajeado - A Prefeitura de Lajeado registrou superávit de R$ 12,2 milhões no fechamento dos números referentes a 2017. O número equivale a 4,5% do orçamento efetivo do município no ano, que foi de R$ 272,5 milhões. O resultado foi alcançado sem reduzir os recursos investidos nos serviços essenciais prestados à população como na educação (que teve aumento de R$ 1,2 milhão aplicados em relação a 2016) e na saúde (aumento de R$ 1,6 milhão aplicados em relação a 2016), e sem o uso de medidas emergenciais adotadas com frequência, como o turno único. O foco foi apostar em gestão e na redução de despesas não essenciais.

"Seguimos a regra que consideramos básica para administrar corretamente o uso do dinheiro dos pagadores de impostos: primeiro economizar, depois investir. Assim, conseguimos manter as nossas obrigações em dia, sem risco de atrasar salários nem os pagamentos a fornecedores. Só assim conseguimos reunir recursos para investimentos maiores. O que vale para o nosso orçamento doméstico deve valer também para a prefeitura", avalia o prefeito Marcelo Caumo.

Investimentos
Com maior capacidade de aplicação com recursos próprios, a prefeitura prepara os próximos investimentos. Nas próximas semanas, deve ser formalizado o anúncio da construção de uma nova escola de educação infantil no município, com pelo menos 180 vagas. Também já está em licitação um novo posto de saúde, que exige contrapartida municipal, e estão previstas ainda diversas obras, como aporte no cercamento eletrônico do município, abertura de novas vias, recapeamentos asfálticos e criação e execução de dois novos parques verdes urbanos - um dos quais, o Parque Piraí, no bairro São Cristóvão, já está tomando forma.

Comparativo de receitas
Comparação da receita orçada e realizada em 2017
Receita orçada para 2017: R$ 292.393.300,00
Receita realizada em 2017: R$ 272.504.734,73
O que significa: do total da receita orçada para o ano, 93,20% se confirmaram efetivamente. Ou seja, do que estava previsto no orçamento elaborado em 2016, R$ 19.888.565,27 não se confirmaram na prática em 2017. Como a administração já previa isto, buscou reduzir despesas e não contar com receitas que poderiam não se concretizar.

Comparação entre receita total e despesa liquidada em 2017
Receita realizada em 2017: R$ 272.504.734,73
Despesa liquidada em 2017: R$ 242.388.765,70
O que significa: para cada R$ 1 arrecado foi gasto (despesa liquidada) R$ 0,89, gerando economia.

Comparação entre a receita de 2017 com 2016
Receita realizada em 2017: R$ 272.504.734,73
Receita realizada em 2016: R$ 258.312.966,55
O que significa: a arrecadação total aumentou 5,49% em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Comparação entre as despesas em 2017 com 2016
Despesas liquidadas em 2017: R$ 242.388.765,70
Despesas liquidadas em 2016: R$ 248.006.666,39
O que significa: as despesas liquidadas reduziram 2,27% (R$ 5.617.900,60) em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Comparação entre as despesas com pessoal em 2017 com 2016
Despesas com pessoal 2017: R$ 103.571.116,47
Despesas com pessoal 2016: R$ 102.190.433,94
O que significa: as despesas com pessoal aumentaram 1,35% em 2017 em relação a 2016. Considerando que o reajuste salarial foi de 5,35%, este valor é cerca de R$ 4 milhões inferior ao projetado inicialmente e foi possível mediante a redução das secretarias e cargos comissionados e também da redução de horas extras.

Comparação entre as despesas com horas extras em 2017 com 2016
Despesas com horas extras 2017: R$ 1.130.273,20
Despesas com horas extras 2016: R$ 1.404.300,96
O que significa: as despesas com horas extras reduziram 19,51% (R$ 274.027,76) em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Fatores econômicos
Superávit 2017 (receitas menos despesas, excluindo restos a pagar): R$ 12.290.550,91

Principais fatores geradores de economia:

1) Reorganização Administrativa
- Redução de 14 para 11 secretarias no início do mandato;
- Redução de cerca de 30% número dos cargos comissionados nomeados, de 180 para cerca de 120;
- Redução das horas extras em 20%.
Apenas estas duas ações geraram uma economia de cerca de R$ 4 milhões em 2017, sem comprometimento da prestação de serviços à comunidade.

2) Revisão e readequação contratuais
- Revisão e readequação dos contratos existentes.

3) Novas licitações
- Foram feitas novas licitações de contratos por vencer e/ou considerados inadequados resultado em valores menores do que os praticados anteriormente.

Serviços nas áreas essenciais
Apesar da redução de 2,27% (R$ 5.617.900,60) nas despesas em 2017 em comparação a 2016, o investimento efetivo em Educação e Saúde aumentou:

Educação
Despesas liquidadas em 2017:R$ 70.760.626,28
Despesas liquidadas em 2016: R$ 69.530.769,28
O que significa: as despesas liquidadas na Secretaria de Educação aumentaram 1,77% (R$ 1.229.857,00) em comparação ao mesmo período do ano anterior.

Saúde
Despesas liquidadas em 2017: R$ 88.851.300,26
Despesas liquidadas em 2016: R$ 87.228.532,40
O que significa: as despesas liquidadas na Secretaria de Saúde aumentaram 1,86% (R$ 1.622.767,86) em comparação ao mesmo período do ano anterior.

Comentários

VEJA TAMBÉM...