Geral

O amor como forma de retribuição

Lurdes da Silva (58) virou presidente de associação para retribuir o carinho dos moradores

Créditos: Julian Kober
Lurdes da Silva acompanha os preparativos finais para a festa de aniversário do Morro 25, marcado para o próximo domingo - Julian Kober

Lajeado - Moradora local há mais de 35 anos, Lurdes da Silva (58) dedicou grande parte da vida para tornar o Morro 25 um lugar melhor para se viver. Foi lá que ela aprendeu uma lição que mudou sua vida: o significado de comunidade. "Peguei amor pelo bairro."

A Lurdes que foi morar no Morro 25 aos 19 anos não é mesma de agora, batalhadora e envolvida nas atividades locais. Por ser portadora de pé congênito torto, má-formação que faz com que o bebê nasça com os pés virados para dentro, era bastante deprimida e reclusa, pouco conversava ou saía de casa. "Era horrível. Quando ficava frio, meus pés rachavam até escorrer sangue", recorda.

Isso mudou depois que uma integrante do Clube de Mães a convidou para participar dos encontros, no salão da comunidade. Depois de ser adotada pelo grupo, foi incentivada a operar os pés. "Nunca havia ido em um médico. Para a minha mãe, se Deus me fez assim eu deveria ficar assim", afirma. A consulta quem marcou foi seu chefe. No primeiro contato com um médico, a esperança. "Ele sorriu para mim e disse que sim, era possível operar. O meu sonho poderia virar realidade." Entretanto, para a cirurgia, Lurdes precisaria cobrir os custos da anestesia e demais procedimentos. E foi aí que um grupo de moradores, incluindo as integrantes do Grupo de Mães, se uniu para arrecadar o dinheiro.

Cheia de expectativas, Lurdes realizou a tão desejada operação. Porém, a sua situação só piorou. Com a circulação obstruída, uma das pernas ficou preta. As dores aumentaram e ela só conseguia se mover com muletas. Seguiu para Porto Alegre, onde passou por seis especialistas. "A resposta era sempre a mesma: amputar a minha perna", relata. O sonho teria virado o pesadelo se não fosse a ajuda de familiares, que a ajudaram até ela descobrir que havia um médico com o mesmo problema. "Ele me examinou e garantiu que iria me colocar em pé de novo."

Para isso, Lurdes teve que realizar ao todo 18 cirurgias. Cada uma necessitava meses de internação na capital, longe de casa, do marido e do filho. E mais uma vez, os moradores do Morro 25 a ajudaram, cada um como podia. "Uma lavava a roupa. Outra limpava a casa. Elas adotaram o meu filho e me ajudaram. E ali começou a surgir uma família."

 

Não pode parar

Da ajuda da comunidade surgiu o apego pelo Morro 25. Assim, depois de muita luta, Lurdes decidiu retribuir ajudando o bairro. Além de integrar o Clube de Mães, coordenou por 16 anos o grupo da terceira idade. Em reconhecimento à atuação comunitária, veio o convite para a presidência da associação, no início deste ano. "Eles insistiram, disseram que eu era a pessoa certa. Às vezes, eu falo que não vejo a hora de terminar os dois anos para sair. Mas o pessoal insiste que eu não vou sair, que vou continuar."

Ciente de que ainda há muito o que fazer, ela persiste. Recentemente, reativou a escolinha de futebol do bairro e prepara uma festa de Natal para os alunos. Para a aposentada, hoje o maior problema do bairro é a falta de segurança. "Gostaria de ver a Brigada Militar mais presente aqui, especialmente de noite. Não tenho dúvida de que todo mundo ficaria mais tranquilo."

 

Aniversário

Lurdes acompanha os preparativos finais da festa de aniversário do bairro, no próximo domingo. Cerca de 400 pessoas são esperadas na festividade, que vão desfrutar de um churrasco, com direito a concurso de dança e escolha das soberanas. Nos dias que antecedem o evento, o trabalho e a correria só aumentam. O ginásio que abriga a associação não tinha bancos e mesas. "Antes, nós precisávamos pegar emprestado de outras associações de bairros. Porque as nossas mesas estavam detonadas, muito precárias", comenta Lurdes. O ginásio teve mesas e bancos do ginásio reformados e uma porta de emergência, onde foram investidos R$ 5 mil, que era uma antiga reivindicação.

Comentários

VEJA TAMBÉM...