Colunistas

As ciências humanas pop

Um dos grandes desafios das ciências sociais é influenciar a sociedade sobre a qual estuda


Um dos grandes desafios das ciências sociais é influenciar a sociedade sobre a qual estuda. Neste sentido, temos ainda muito a aprender com as chamadas ciências biológicas. A medicina, conseguiu feitos impressionantes com relação aos cuidados em saúde. Problemas como o câncer de pulmão, a obesidade e o alcoolismo, somente para citar alguns, foram amplamente discutidos pela medicina e tiveram a capacidade de influenciar definitivamente a vida das pessoas com relação a estilo de vida e hábitos de saúde, desde ambiente privado da vida doméstica, até as esferas de decisão dos governos. No caso do cigarro são elaboradas leis cada vez mais restritivas, aumentado os impostos e limitando os locais de consumo do produto. No caso da obesidade, já se discute em alguns países a elaboração de uma sobretaxa para os refrigerantes ou alimentos que contém muito açúcar em suas fórmulas.

O problema das ciências sociais é que elas tratam de temas que já foram analisados no senso comum. Trabalhamos com questões que as pessoas já conhecem, ou que pelo menos pensam conhecer. Temáticas que tratam frequentemente de valores que fazem parte da formação do indivíduo, de suas crenças. Um fenômeno interessante, que ultimamente tem ganhado bastante espaço nas mídias, é o surgimento de um novo tipo de intelectual de ciências humanas, que se tornaram febre nas redes sociais. Mestres em um tipo de humor sarcástico que conseguem ultrapassar as torres de marfim do mundo acadêmico. Diversos são os artistas de primeira linha deste novo tipo de intelectual no Brasil. Podemos citar, por exemplo, Leandro Karnal e Mário Sérgio Cortella. Ambos desempenham um misto de stand up comedy com lições de história, sociologia e filosofia. Contam milhares de seguidores nas redes sociais e acumulam montanhas de "likes" nos vídeos e trechos de vídeos de suas palestras que circulam intensamente nos grupos de mensagem. Alguns de seus livros figuram entre os mais vendidos do Brasil.

O ponto positivo é que com bom humor o Brasil atual se torna mais leve e suportável, por outro lado, podemos nos perguntar até quando estes novos gurus da alta modernidade terão fôlego para atrair as massas para seus comentários sarcásticos. De qualquer forma, ainda não sabemos com certeza qual o potencial desta stand up comedy de ciências humanas em influenciar a sociedade  em questões de gênero, na diminuição dos preconceitos raciais, ou ainda na xenofobia. Quanto a isso ainda temos que esperar e torcer para que as mensagens sirvam para além de boas risadas.Daniel Granada é antropólogo e professor.

Comentários

VEJA TAMBÉM...