Colunistas

Coluna do Deraldo


>> Política de transição
Tudo é transitório, nada permanece imutável. A opinião de hoje pode mudar amanhã, à luz de novas descobertas ou de interpretação. A política é mutável pela própria natureza quer na forma geracional ou ideológica.

>> Caminho a seguir
Cabe aos eleitores o processo de transição com base no sentimento e conhecimento. A maioria escolheu um candidato, mesmo que o percentual seja pouco mais da metade dos votos nas urnas. Mas isto é apenas um dado.

>> Rastro de discórdia
O fato é que a eleição semeou a discórdia entre grupos de pensamento heterogêneo. Houve rompimento de amizades e desentendimentos nas redes sociais. Aflorou um sentimento danoso no coração dos contrários.

>> Sentimento de perda
Eckhart Tolle, no livro Um Novo Mundo, fez a pergunta para uma senhora, dominada pelo sentimento de raiva, por ter perdido uma joia de família: "A pessoa que a senhora é tornou-se diminuída pela perda?".

>> Turbulência eleitoral
Passada a turbulência eleitoral, é hora de fixar o olhar no horizonte e desapegar do que passou. O retrovisor não pode ser o protagonista da viagem. O destino está traçado, mas é você que fará o roteiro da jornada.

>> Tudo é novo
Marinheiro de primeira viagem desconhece os perigos do mar. Tudo é novo no navegar. Cioso das armadilhas, Paulinho da Viola, ensina: "Faça como o velho marinheiro que durante o nevoeiro leva o barco devagar".

>> Travessia de mandato
O conselho do marinheiro experiente é um ensinamento de vida. Indica prudência e acuidade na tomada de decisões. Arroubos e arrogância podem se tornar grandes empecilhos na longa travessia política que se avizinha.

>> Brilho próprio
O capitão alçado a presidente da República terá a missão de guiar o Brasil no mandato delegado pelos eleitores. Os primeiros ministros anunciados por Jair Bolsonaro são nomes estelares. Têm brilho próprio e ego inflado.

>> Refém de ministro
O presidente da República não pode ficar refém de ministro. Significa que, mesmo que queira a demissão, não consegue tirar porque o titular da pasta tem tanta força popular que a saída, por mais necessária, se torna impensável.

>> Política no Judiciário
O juiz Sérgio Moro confirmou o que era uma suspeita, o viés político das decisões tomadas nas entranhas de uma das varas do Poder Judiciário. O ativismo judicial rendeu o passaporte rumo à Esplanada dos Ministérios.

>> Candidato a candidato
Sérgio Moro deveria evitar chegar ao superministério com status de sucessor natural de Bolsonaro. Passa a ser o centro das atenções e alvo dos demais pretendentes ao cargo, inclusive de Bolsonaro, se for à reeleição.


Deraldo Goulart

Comentários

VEJA TAMBÉM...